LÜBECK (II)

Compartilhe:Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInTweet about this on TwitterEmail this to someone

thomas mann

Johann Ludwig Bruhns emigrou de Lübeck para o Brasil em meados do século XIX. Fundou uma firma de importação e exportação e após alguns anos de duro trabalho comprou terras no litoral de Parati. Em breve tinha seu próprio engenho de açúcar em Angra dos Reis e começou a explorar terras em São Paulo.. Aos 27 anos já poderia ser considerado um milionário e casou-se com Maria Luiza da Silva, filha de Manoel Gaetano da Silva, outro ricaço da região.

Desta união nasceram cinco filhos, Manoel, Luiz, Mariana, Júlia e Paulo. Um ano depois da morte da esposa, Ludwig Bruhns retornou com a família para Lübeck.

Julia recebeu uma educação primorosa e tornou-se exímia pianista. Durante toda vida nunca abandonou o instrumento e com isto introduziu seus filhos no mundo da música.

Julia_Mann

A jovem Julia casou-se com Thomas Johann Heinrich Mann, herdeiro de uma riquíssima firma de cereais. Seu marido era um homem elegante, o típico aristocrata burguês, loquaz e bem humorado.

Tiveram cinco filhos, sendo que dois seguiram  a carreira de escritor: Heinrich e Thomas Mann. Os demais foram Julia Elizabeth, Carla Augusta e Carl Viktor Mann.

Enquanto o Brasil nunca conquistou um Prêmio Nobel em qualquer categoria,

Lübeck pode ostentar o título de ter três cidadãos que receberam esta láurea.

os-buddenbrook

Thomas Mann (1875-1955) Prêmio Nobel de Literatura em 1926..Sua primeira grande obra foi  Os Buddenbrook, livro editado em 1901,Thomas Mann escreverá  livros que irão consagrá-lo como um dos grandes romancistas do século XX,  Morte em Veneza, A Montanha Mágica, Doutor Fausto, José e seus irmãos fazem parte da extensa produção literária de Thomas Mann. Os Buddenbrock narra a saga de quatro gerações de uma rica família de Lübeck, e lhe valeu o Premio Nobel de Literatura, em 1926.

Com o advento do nazismo, Thomas Mann, esposa e filhos emigraram para a Suíça. Todos eles têm cassada sua cidadania alemã. Em 1938 Thomas muda-se para os Estados Unidos lá permanecendo até o advento do macarthismo.

A perseguição aos artistas e a lista negra do senador Joseph McCarthy trazem para Thomas Mann lembranças do nazismo e ele retorna para a Alemanha. O escritor morreu em Zurich no ano de 1955.

Willy Brandt

Willy Brandt (1913-1992) Prêmio Nobel da Paz em 1971. Seu verdadeiro nome era Herbert Ernst Karl Frahm. Willy Brandt sempre dedicou sua vida à política. Aos 16 anos já fazia parte da juventude socialista, estabeleceu algumas células do partido na Escandinávia e retornou para a Alemanha a fim de cursar a Universidade. Em 1938, participou, como jornalista, da cobertura da Guerra Civil Espanhola. Vivia um permanente jogo de gato e rato com os membros do Partido Nazista, dai a necessidade do uso de codinomes. Em 1938 foi expulso da Alemanha e viveu alguns anos na Noruega e Suécia. Ao fim da guerra retornou às atividades políticas e foi prefeito da então Berlim Ocidental no período 1957-1966.

Tornou-se o quarto chanceler da Alemanha pós-guerra e estabeleceu a política de distensão e equilíbrio com as ditaduras do Leste Europeu (Ostpolitik).

Günter Grass e Willy Brandt

Günter Grass (1927-2015) Prêmio Nobel de Literatura em 1999.

Romancista, dramaturgo, poeta e artista plástico, Grass nasceu em Danzig (hoje Gdansk), mas fixou residência em Lübeck onde viveu até morrer. Sua obra mais famosa, O Tambor, mais tarde transformada em filme, alavancou sua premiação ao Nobel. Já no século XXI, ele veio a revelar, no livro Descascando a Cebola sua participação como membro das Waffen SS. Tinha 17 anos ao ingressar nesta tropa de elite. A revelação lhe causou inúmeros dissabores, pois a classe intelectual ficou dividida. Um escritor que jamais o perdoou foi Jose Saramago.

lübecker-marzipan

Marzipã de Lübeck

Os visitantes, quando chegam à Lübeck, logo associam a cidade com seus deliciosos e tradicionais marzipãs. E é verdade. Lübeck tem a reputação de ser a cidade do marzipã e a fama se espalhou no começo do século XIX, mas a história do Marzipã de Lübeck vem bem antes, quando, em 1407, os habitantes da cidade estavam passando fome. Não havia mais nenhum outro tipo de grãos, só amêndoas. Os padeiros começaram a produzir somente pães com amêndoas e açúcar. A partir daí, o doce foi mencionado pela primeira vez em registros históricos em 1530 e ficou conhecido em Lübeck pelo nome de Martzapaen.
Em 1786, o confeiteiro Johann Gerhard Maret abriu a primeira loja do doce, seguido por mais algumas dezenas.
A mais famosa fabrica ainda em funcionamento até hoje e fundada em 1804 é a Niederegger que fica em frente a antiga prefeitura da cidade de Lübeck, uma tentação difícil de resistir.

Assinatura e_mail

Compartilhe:Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInTweet about this on TwitterEmail this to someone