O Estagiário

Compartilhe:Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInTweet about this on TwitterEmail this to someone

estagiario

Tudo o que aprendi na escola e na minha profissão mudou – e mudou muito. E, se ainda estou aqui hoje, isso se deve à minha vontade recorrente de me reinventar.

É preciso morrer várias vezes ao longo da vida para continuar vivo.

Neste momento difícil da economia e disruptivo da indústria da mídia e da publicidade como um todo, eu decidi voltar a estudar.

Como não dá para sair do Brasil neste momento porque é preciso estar ainda mais perto dos meus clientes, decidi aprender estagiando num dos clientes que considero dos mais modernos do país.

Pretendo passar cerca de 120 manhãs estagiando e tendo como meus tutores uma garotada espetacular em geral 30 anos mais nova do que eu.

Várias vezes em minha vida voltei para o final da fila da classe.

Esse coração de estudante é o que faz o meu coração continuar batendo. É uma delícia aprender. O mundo novo não tem nada de “rocket science”. Em bom português, não tem nada de complicadíssimo.

Você precisa apenas ter a mente aberta, sem medo de perguntar. Como disse Albert Einstein:

“A mente que se abre para uma nova ideia nunca volta ao seu tamanho original”.

O futuro não é difícil de entender, é difícil de aceitar.

As pessoas ficam velhas quando fecham a cabeça para o novo e se convencem de que não são capazes de usar o computador, o celular, o Waze, o GPS.

Se você tem coração de estudante e não tem vergonha de não saber, você vai adorar o futuro.

Por Nizan Guanaes

Fonte: Linkedin

Compartilhe:Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInTweet about this on TwitterEmail this to someone