China: o maior desafio não é a desaceleração

Compartilhe:Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInTweet about this on TwitterEmail this to someone

A longa marcha do desenvolvimento chinês continuará a avançar – agora, também em direção ao interior do país. Há, no entanto, uma muralha entre o que é possível e o que deve acontecer de fato no comércio do Brasil com a China neste ano.

As perspectivas para o Brasil são as melhores possíveis no que diz respeito às demandas chinesas em 2014 – demandas que tendem a continuar aumentando, principalmente nos setores de alimentos e matérias-primas. E não só porque o mercado consumidor chinês está se fortalecendo com o ingresso de milhões de pessoas. Há também o aumento do poder aquisitivo e a urbanização acelerada, que obrigam a construção de moradias, escolas, hospitais, ferrovias, telecomunicações, estruturas de água e energia etc. Ainda que em menor velocidade, a longa marcha do desenvolvimento chinês continuará a avançar – agora, também em direção ao interior do país. Há, no entanto, uma muralha entre o que é possível e o que deve acontecer de fato no comércio do Brasil com a China neste ano. Do lado brasileiro, a muralha é feita de um misto de acomodação, preconceito e despreparo. Do lado chinês, é feita de comportamentos muitas vezes prejudiciais à efetivação dos negócios – em parte, pelo fato de a China ser um comprador ambicionado pelo mundo inteiro.

china_multidao-350O despreparo da maioria das empresas brasileiras para o comércio internacional é sabido e reconhecido. Com a China, ele se evidencia ainda mais. Além de profissionalismo, é preciso estudar o país – algo que a maioria dos governos, entidades e empresas brasileiras não faz. É justamente do desconhecimento que vem o ceticismo e o preconceito em relação a tudo que se diz sobre o mercado chinês. Exemplo disso é o ataque que se faz à exportação de commodities para a China no lugar de produtos de maior valor agregado. Ataca-se o sucesso dos setores do agro e da mineração em vez de se questionar as dificuldades competitivas da indústria brasileira. Ninguém fala que os empresários brasileiros importam máquinas e matérias-primas da China. Ninguém diz que os chineses não vendem aqui – somos nós que vamos lá comprar deles. Desse falso debate surgem argumentos que não se sustentam. Até porque os produtos agrícolas e pecuários, ainda que vendidos in natura, resultam hoje de processos produtivos que incorporam muito capital, tecnologia e insumos industriais. Aliás, o que teria ocorrido com as indústrias que fornecem para o agro sem as exportações superavitárias de grãos e carnes para a China? E o que seria da nossa balança comercial se não fossem os valores crescentes das exportações de minérios para os chineses?

A demanda chinesa continuará aumentando nos setores de construção civil, alimentos, bebidas, energias renováveis e  meio ambiente (aliás, a situação ambiental piorou muito com a chegada de 17 milhões de carros novos por ano às ruas; a poluição aérea já é insuportável em grandes cidades, como Shanghai e Beijing; e a poluição hídrica torna mais insustentável a escassez natural). Isso sem contar uma infinidade de produtos para nichos de mercado, que na China contabilizam milhões de consumidores cada um. À medida que os chineses forem se adequando a práticas mundiais (por exemplo, o uso de capacete pelos 500 milhões de ciclistas e 100 milhões de motociclistas), novas demandas serão colocadas para o mundo. A indústria chinesa não dá conta de abastecer sozinha o seu imenso mercado. A dificuldade maior para vender ao mercado chinês é a quantidade de concorrentes. É preciso um grau muito elevado de competitividade, o que leva a margens menores e à necessidade de quebra de paradigmas. Poucas empresas brasileiras se dispõem a isso. Recentemente, conheci uma tradicional fábrica do sul do Brasil cujo dono se recusou a alterar a composição do seu produto principal para adequá-lo ao paladar chinês. Aí fica difícil.

________________________________________________________________________________

Autor: Milton Pomar que é Editor da revista Negócios com o Brasil e colunista do blog Conexão Ásia.

Artigo originalmente publicado na Revista Amanhã.

Compartilhe:Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInTweet about this on TwitterEmail this to someone