Testemunhamos a corrosão mundial da democracia, diz Todorov

Compartilhe:Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInTweet about this on TwitterEmail this to someone

inimigos

Democracia está ameaçada. Não por inimigos externos, como o totalitarismo do século 20, mas por um desequilíbrio interno. Em “Os Inimigos Íntimos da Democracia”, Tzvetan Todorov defende que testemunhamos a corrosão mundial dos ideais democráticos.

“O povo, a liberdade, o progresso são elementos constitutivos da democracia”, diz, “mas se um deles se emancipa de suas relações com os outros, escapando assim a qualquer tentativa de limitação e erigindo-se em único e absoluto, eles transformam-se em ameaças: populismo, ultraliberalismo, messianismo, enfim, esses inimigos íntimos da democracia”.

Entre outras perversões, temos as guerras humanitárias e o uso da palavra “liberdade” por partidos de extrema direita de diversos países da Europa, inclusive para fomentar a xenofobia e o ódio aos islâmicos.

Segundo o autor, a indiferença dos políticos pelas verdadeiras aspirações da sociedade proporciona o substrato necessário para o desgaste das instituições e para a ascensão de pensamentos antidemocráticos.

“Para evocar essas ameaças internas à democracia, provenientes de seus elementos constitutivos – progresso, liberdade, povo -, recorro à minha própria experiência, desde o primeiro terço de minha vida em um país totalitário aos outros dois terços em uma democracia liberal”, conta.

Radicado em Paris desde os anos 1960, Todorov, semiólogo e historiador de origem búlgara, adquiriu cidadania francesa em 1973. “Literatura e Significação”, sua tese de doutorado de 1967, foi orientada por Roland Barthes. O acadêmico recebeu o prêmio Príncipe de Astúrias de Ciências Sociais em 2008.

Professor e pesquisador do Centro de Pesquisa das Artes e da Linguagem e do Centro de Linguagem da Escola de Altos Estudos Sociais, ele também lecionou em universidades dos EUA, como Yale, Harvard, Columbia e Califórnia-Berkeley.

Todorov assina, entre outros títulos, “Goya à Sombra das Luzes”“Análise Estrutural da Narrativa”“O Homem Desenraizado”“A Gramática do Decameron”“A Conquista da América”“Dicionário Enciclopédico das Ciências da Linguagem”“Poética da Prosa”“A Literatura em Perigo” e “O Medo dos Bárbaros”Leia trecho de “Os Inimigos Íntimos da Democracia”.

Fonte: Folha de S.Paulo

Compartilhe:Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInTweet about this on TwitterEmail this to someone