O direito à praia

Compartilhe:Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInTweet about this on TwitterEmail this to someone

praiaEm época de férias, quem não sonha com um pouco de diversão e descanso em nosso litoral? O problema é que nossas praias incharam e já mostram a insanidade dos grandes centros urbanos. Precisam com urgência de regras, planos e estratégias para uma melhor qualidade de vida de moradores e vistantes. Como gaúcho, quero reivindicar o direito de ter um espaço generoso na areia e de água saudável para um bom mergulho no mar de Capão ou Tramandaí. É demais sonhar também com pouco trânsito nas ruas da minha praia e um bom plano diretor para os moradores, que evite grandes prédios e privilegie a beleza do mar?  Afinal, onde está o mar? Quero de volta a essência da praia, o puro lazer, a preguiça. Também que tal leis severas para estacionamentos, com privilégios para pedestres e ciclistas? Lojas, restaurantes e hotéis deverão ter estacionamento próprio, de acordo com o número de clientes e não contar com o escasso espaço das ruas. O modelo de privilegiar o automóvel está exaurido. Quero essas ruas com vida, abertas para a praia, vivas e alegres.

Uma cidade pode decidir por parar de crescer ou crescer mais lentamente, com muito mais qualidade de vida para moradores e visitantes. Uma praia pode e deve planejar seu futuro, pensar se quer continuar assim, com um caos aparentemente controlado mas que no cotidiano estressa a todos, com congestionamentos gigantescos em suas ruas, imensas filas nos supermercados – em qualquer lugar -, algumas vezes sem água e luz, além do inconcebível quase zero de saneamento básico.

A corrida do apenas por riqueza terá que ceder obrigatoriamente a um jeito mais responsável de olhar em volta e preservar mais. Mudar a governança dessas cidades, oferecer mais saúde e educação, principalmente para os habitantes dessas localidades. Só assim se terá mais alegria e menos tensão e angústia para todos.

Não ouço mais falar das sociedades de amigos das praias. Não existem mais amigos? A comunidade praiana tem que acordar e se mobilizar por seu direito à praia.

Autor: Ronald KrummenauerDiretor Executivo da Agenda 2020

Compartilhe:Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInTweet about this on TwitterEmail this to someone