Gerência e educação

Compartilhe:Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInTweet about this on TwitterEmail this to someone

educaçãoOs países desenvolvidos gastam, em média, três vezes mais na educação básica – entre 6 a 15 anos – em relação ao Brasil. Um documento da OCDE (Pisa) divulgado recentemente indica que o Brasil precisa investir mais nas escolas em áreas de baixo desenvolvimento socioeconômico.

O País melhorou em matemática, mas continua entre os piores em ranking.

E não são apenas os recursos que explicam a má qualidade do ensino, segundo especialistas ouvidos pela OCDE, mas também a gestão é um problema.

Segundo o estudo da OCDE /Pisa, o Brasil gasta em média R$ 64 mil para educar uma criança dos 6 aos 15 anos. Esse gasto sobe a R$ 200 mil nos países mais ricos membros da OCDE.

Ocorre que essas nações tem um PIB percapita na casa dos R$ 84,5 mil enquanto o nosso PIB per capita é de cerca de R$ 30 mil. Foi essa conta um dos principais argumentos do governo para reforçar o salto brasileiro em matemática, apesar de o País continuar entre os últimos do ranking.

A expectativa toda agora se volta ao dinheiro que virá dos “royalties” do petróleo, que pela lei já sancionada destinou 75% para a educação. Mas o desafio imediato será como ficará a gestão com a ampliação dos recursos.

Será a educação um novo foco de atenção das negociações políticas dos partidos aliados dado ao novo volume de verba, que encherá os olhos dos político

O relatório do OCDE/ Pisa faz uma relação bastante positiva cruzando dados de várias nações entre mais investimentos e a melhoria dos índices de educação.s mais uma vez?

Mas a Turquia, por exemplo, tem um PIB per capita 25% maior do que o brasileiro, investe 27% menos em educação e está 14 posições à frente em matemática, em 44º lugar na lista de 65 países.

E o Brasil ocupa o 58º lugar na mesma fila.

Por DCI – São Paulo/SP

Compartilhe:Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInTweet about this on TwitterEmail this to someone