O direito é meu, o dever é do outro? Agenda 2020 debate Direitos & Deveres

Compartilhe:Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInTweet about this on TwitterEmail this to someone

 

Me_myself_I

Temos que enfatizar os direitos? Nossa sociedade é injusta?  Menospreza muitos direitos? Há uma ênfase em direitos para a quase exclusão de deveres e responsabilidades na sociedade moderna? Direitos estão sendo exigidos e deveres esquecidos? Pode haver um direito sem um dever?

O grupo de voluntários do Fórum Temático de Cidadania e Responsabilidade Social da Agenda 2020 promove um encontro para ouvir opiniões e debater sobre essas questões, e para isso convidou o Defensor Público-Geral do Estado, Nilton Leonel Arnecke Maria e o filósofo e voluntário da Agenda 2020, Marcos Kayser, como palestrantes do seminário Direitos & Deveres da cidadania, que irá acontecer dia 12 de novembro, em Porto Alegre. Para Claudio  Inácio Bins, voluntário da Agenda 2020 e coordenador do fórum,  o assunto é relevante e atual: “vivemos em uma época de legítimo resgate pelos “direitos da cidadania”, no entanto, observamos com preocupação, que parte da sociedade não está percebendo a necessidade de resgatarmos também os “deveres da cidadania”. Nada mais justo que as pessoas saibam e exijam seus  direitos mas, com  lógica e bom senso, também entendam o compromisso com deveres e responsabilidades”.

direitos-deveres

Para o voluntário Marcos Kayser, “não é possível escapar do contexto social e cultural em que vivemos. O coletivo cedeu lugar para o individualismo, o dito universal para o particular, assim, parece prevalece o direito sobre o dever, alimentado pela fragilidade das instâncias de poder. O direito é meu, o dever é do outro. Quem cumpre a lei? De que forma se aplica a lei?”

“Educação e cidadania são palavras chaves para se alcançar a responsabilidade social”, garante o defensor Nilton. Para ele, “a construção de um estado mais cidadão e social, onde possam ser efetivamente cobrados deveres da população, passa pela informação das pessoas sobre as suas prerrogativas e obrigações”. O defensor ainda pergunta: “É justo cobrar deveres de quem nunca teve direitos efetivos?”

Além da assistência judiciária gratuita, fundamental para milhares de gaúchos, a Defensoria Pública tem projetos como o exame de paternidade gratuito e a regularização fundiária, ambos de grande importância social. Mensalmente, a Defensoria presta, sempre de forma gratuita, cerca de 30 mil atendimentos.

Informações e inscrições: 33429996 ou inacio@polors.com.br

 

Compartilhe:Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInTweet about this on TwitterEmail this to someone