Os desafios dos novos prefeitos

Compartilhe:Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInTweet about this on TwitterEmail this to someone

O fim de 2012 é, para muitos políticos, a reta final da preparação antes de assumirem o cargo de prefeito. Com os novos mandatos se iniciando, 2013 começa com grandes expectativas para os prefeitos eleitos e para os reeleitos.

Este é, sem dúvida, um período importante. Tanto que o governo federal já prepara suas ações para apresentar aos novos prefeitos os principais programas, especialmente aqueles que ainda não chegam à grande parte dos municípios gaúchos (como os que tratam da acessibilidade).

Mas como cumprir todos os compromissos assumidos durante as campanhas e promover, ao mesmo tempo, o desenvolvimento e crescimento sustentáveis? Além das parcerias como os governos federal e estadual, os municípios precisam atrair investimentos e incentivar o empreendedorismo. É preciso – e possível – que os municípios tenham protagonismo. Na prática, isso significa reconhecer o potencial local (cidade e região), detectar o perfil dos trabalhadores e qualificá-los, ter clara a logística que cada investimento exige e, por fim, buscar investidores. Um bom prefeito precisa saber defender seu município como o melhor lugar para cada investidor.

Alguns podem se perguntar: é possível? Sim. A cidade de Saquarema (80 mil habitantes), no Estado do Rio de Janeiro, por exemplo, conseguiu atrair mais de 33 investimentos nos últimos anos, gerando 4.862 empregos diretos. Bom Jardim (26 mil habitantes), com cinco investimentos, gerou 630 empregos diretos e 1,5 mil indiretos. Isso permitiu uma verdadeira revolução nas cidades, com investimentos diretamente relacionados com a vocação dos municípios.

O que é preciso para que isso aconteça no Rio Grande do Sul? Mais vontade, mais protagonismo e mais visão empreendedora. Velhas soluções para velhos problemas têm sido colocadas em prática à exaustão sem resultados satisfatórios. Ao mesmo tempo, a economia segue evoluindo em ritmo intenso. Os prefeitos precisam acompanhar o ritmo da economia para poder garantir os direitos e a dignidade dos cidadãos.

No Rio Grande do Sul, os 50 municípios com maior PIB têm perfil completamente diferente e estão espalhados por todo o Estado. Cabe, portanto, a cada um deles atrair um tipo de investimento. Isso fortalecerá a administração local na medida em que gerará emprego, renda e arrecadação. Que, em 2013, os novos prefeitos (e os reeleitos) entendam a grande importância que novos investimentos significam e que façam a escolha de alavancar o desenvolvimento local, valorizando o melhor de cada cidade, permitindo aos cidadãos permanecerem em seus municípios, ao invés de saírem em busca de melhores oportunidades. Ganham os municípios, ganha o Estado.

___________________________________________________________________________________

Autor: Nelson Naibert, economista e consultor.

Fonte: Zero Hora

Compartilhe:Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInTweet about this on TwitterEmail this to someone