Quadros de uma exposição

Compartilhe:Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInTweet about this on TwitterEmail this to someone

Eis aí, o alcoolismo! Mussorgski soçobrou num mar de vinho, conhaque e vodca, a ponto de transformar-se, de cavalheiro refinado em vadio anti-social. – Salomon Volkov –

O compositor Modest Mussorgski, após três severas crises provocadas pelo alcoolismo, foi internado pelos amigos no Hospital Militar Nikolaev. Suas condições físicas e mentais eram assustadoras. No dia em que comemorava seus 42 anos, ele subornou um enfermeiro, para que lhe comprasse uma garrafa de conhaque. Consumida em poucas horas, ela representou a última etapa do processo de autodestruição do jovem músico, que iria morrer uma semana depois, no dia 28 de março de 1881.

Alguns dias antes de sua morte, Mussorgski foi retratado por Ilia Repin. Durante quatro visitas ao hospital, o pintor trabalhou junto ao leito do amigo, registrando na tela os traços de decadência e a fisionomia demente do artista à beira do colapso final.

É impossível dissociar a vida e obra de Mussorgski, do grupo que ficou conhecido como Os Cinco Grandes. Na segunda metade do século XIX, São Petersburgo era o grande centro cultural da Rússia. A intelectualidade buscava sua identidade nacionalista, que começou a ser retratada por Aleksander Puchkin na literatura e por Mikhail Glinka na música.

O Conservatório de São Petersburgo, dirigido por Anton Rubinstein, tinha uma orientação musical influenciada pelas escolas ocidentais. Num gesto de oposição, Mily Balakirev fundou a Escola de Música Livre. Seu objetivo era o de salvar a música russa da contaminação dos estilos da escola alemã e da ópera italiana. Através da liderança de Balakirev começou a nascer o grupo dos cinco. Nenhum de seus integrantes era músico profissional. Todos eram autodidatas e, com exceção de Aleksander Borodin, que era químico e médico, os demais exerciam a carreira militar. Nikolai Rimsky-Korsakov era oficial da Marinha Imperial e César Cui engenheiro do exército russo. Balakirev e Mussorgski pertenciam à Academia Militar de São Petersburgo.

Modest Petrovich Mussorgski nasceu no dia 21 de março de 1839, na província de Pskov. Seu pai, um grande proprietário rural, era um apaixonado pela música. O jovem Modest Petrovich recebeu uma sólida formação como pianista, mas nunca se aprofundou nos estudos da teoria musical. Mudou-se para São Petersburgo, onde ingressou como cadete da Academia militar.

Sua vida mudou, a partir do momento em que fez amizade com Mily Balakirev. Em poucos meses, ele passou a ser o quinto integrante do grupo que pretendia revolucionar a música russa. Abandonou a carreira militar, para melhor estudar a obra de Beethoven, Schubert e Glinka e dedicar-se à composição. A fim de garantir um orçamento que lhe garantisse o sustento, Mussorgski prestou concurso para funcionário público do Ministério das Comunicações, conseguindo ser admitido no cargo de escrivão.

Durante parte do dia, ele estudava com Balakirev e deu início à suas primeiras composições, buscando um novo estilo musical que expressasse os sentimentos da alma do povo russo.Em 1874, Mussorgski estreou sua obra mais ambiciosa, a ópera Boris Godunov, no Teatro Imperial de São Petersburgo. Ainda assim, o compositor sofria, pelo fato de sua música não ter sido bem acolhida pelo público. Até seus amigos músicos não a entendiam e julgavam-na antiacadêmica.

Mussorgski passou a atravessar os dias e as noites nas mais degradantes tavernas da cidade, onde caminhava a passos largos no caminho da destruição. Seu trabalho como compositor, passou a ser relegado a um segundo plano. O alcoolismo o fez perder o emprego e a maioria das amizades. A saúde do músico deteriorou-se rapidamente. Suas condições físicas e mentais eram assustadoras. Os poucos amigos sempre o encontravam totalmente embriagado, os olhos ardendo em loucura, as roupas transformadas em farrapos. Todos os bens que possuía haviam sido consumidos com a bebida. O torturado Mussorgski acabou internado no Hospital Nikolaev, aonde a morte o esperava. No dia 30 de março de 1881, seu corpo baixou à sepultura no cemitério Alexander Nevski. O homem que seria considerado, anos depois, um dos gênios da música russa e precursor do modernismo, sucumbiu vitimado pelo álcool, a quinta besta do Apocalipse.

O legado musical de Mussorgski:

A ópera Boris Godunov, baseada num drama de Puchkin, descreve a história de um czar que assume o poder, através da intriga e do assassinato, mas passa a viver atormentado por sua consciência. Mussorgski foi encontrar nessa verdadeira tragédia russa, a inspiração para compor a obra musical que é um retrato dos sentimentos do povo eslavo.

Suas outras óperas, Khovanshina e A feira de Sorochintsky, nunca foram finalizadas. Um dos grandes responsáveis pelo renascimento de sua música foi Rimski-Korsakov. Como grande orquestrador que era, ele revisou os manuscritos e fragmentos das obras deixadas pelo desafortunado compositor. Korsakov domou os sons “bárbaros” de Mussorgski vestindo as partituras com uma bela roupagem musical. Sua versão de Boris Godunov, lançada em 1896, quebrou a resistência das platéias, fazendo com que a ópera fosse aclamada na Rússia e no mundo ocidental. O compositor Dmitri Shostakovich também elaborou uma moderna versão, lançada em 1959. Nos últimos anos, alguns puristas e admiradores de Mussorgski, preferem escutar Boris Godunov, conforme a partitura original de 1874.

Quem, quando criança, assistiu ao filme Fantasia, de Walt Disney, deve lembrar-se com uma ponta de terror, das diabólicas figuras e imagens utilizadas para ilustrar as cenas de Uma noite no monte Calvo. Essa composição, magistralmente orquestrada por Rimski-Korsakov, tem como tema a glorificação das forças do mal, durante a realização de um sabbath de feiticeiras. Mussorgski baseou-se em um conto de Gogol, para escrever essa música, que é sua marca registrada.

Antes de sua morte, o compositor atingiu um estado de grande depressão quando do prematuro falecimento do pintor Viktor Hartmann, seu grande amigo. Mussorgski foi visitar uma exposição póstuma, preparada em homenagem ao artista. Durante a visita, veio-lhe a inspiração para escrever Quadros de uma Exposição, sua principal suíte para piano. Esse trabalho é bastante conhecido nos dias de hoje, através de uma versão orquestrada por Maurice Ravel, em 1922.

A maioria dos críticos da atualidade  considera Mussorgski e Igor Stravinski os compositores mais talentosos jamais vistos pela Rússia.

Clique aqui para assistir Uma Noite no Monte Calvo, conforme aparece no filme Fantasia, de Walt Disney:

Compartilhe:Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInTweet about this on TwitterEmail this to someone