Sir Edward Elgar

Compartilhe:Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInTweet about this on TwitterEmail this to someone

Sir Edward Elgar

(1857-1934)

 

Desde a morte de Henry Purcell, em 1695, passaram-se 200 anos até que a nação inglesa tivesse o orgulho de contar  com um novo compositor de reputação internacional. Seu nome era Edward Elgar.

No passado a Inglaterra apoiou-se em compositores estrangeiros. Haendel e seus oratórios foram sucesso entre 1730 e 1740. Johann Christian Bach reinou durante o século XVIII, sendo sucedido por Clementi, Haydn e Mendelssohn. A influência destes foi uma sombra que ofuscou compositores ingleses como William Benett, Hubert Parry e Frederic Cowen. Arthur Sullivan, o escocês Alexander Mackenzie e o irlandês Charles Villiers Stanford fizeram boa música, mas permanecem totalmente desconhecidos do grande público.

Sullivan apenas iria ganhar destaque em toda a Inglaterra, a partir do momento em que fez amizade com o libretista William Gilbert. Desta parceria nasceram mais de dez operetas, de grande sucesso junto ao público, em especial Pirates of Penzance, H.M.S. Pinafore e Mikado.

Elgar nasceu em plena época vitoriana, filho de um organista, no vilarejo de Broadheat, nas cercanias de Worcester. Desde criança recebeu aulas de música, mas aos quinze anos foi estudar como aprendiz na Escola de Direito. Depois de um ano, desistiu da carreira e passou a dedicar-se apenas para a música. Dava recitais de violino, compunha alguma música de câmera, tocava órgão e dirigia o coro da igreja. Elgar já era um brilhante violinista, quando em 1879 recebeu sua primeira oportunidade profissional ao assumir a direção da orquestra do condado de Worcester. Lá ele dirigia concertos, em especial no asilo para insanos. Durante cinco anos ele exerceu esta função, ao mesmo tempo em que compunha obras pequenas e insignificantes.

Em 1889 Elgar casou-se com sua aluna, Caroline Alice Roberts, que acreditava apaixonadamente no talento do esposo. O músico sentiu-se motivado e deu início a uma série de novas composições, com destaque para a abertura Froissart, para concerto, a Serenata em mi menor para cordas e o oratório The Dream of Gerontius.

O casal mudou-se para Londres, e o maestro Hans Richter, já há alguns anos na Inglaterra admirou-se com a última obra de Elgar, os Enigma Variations. Composta entre 1898 e 1899, o autor retrata nesta peça, através de um tema e quatorze variações, um retrato da esposa e dos amigos. Uma das mais conhecidas é a variação IX, Nimrod, um tributo a August Jaeger, editor musical da firma Novello e ardente admirador da obra de Elgar. Sob a batuta de Richter, esta peça foi executada nas principais salas de concerto da capital e levando o autor para a fama.

Na primeira década do século XX, Elgar já era aclamado em todo país e atravessava um período de grande inspiração Compôs o Concerto para Violino, duas Sinfonias e o ciclo de cinco Marchas, denominadas Pompa e Circunstância. A mais famosa é a de Nº 1, em ré maior. Ela estreou durante a guerra contra os Boers, que se travava na África do Sul. A nação acompanhava os fatos com o clássico fervor nacionalista britânico e deixou-se contaminar pela letra e música desta solene marcha que abre com os dizeres Land of hope and glory (Terra da esperança e da Glória). Elgar preparou uma Ode para a cerimônia de coroação do rei Edward VII, mas este lhe pediu que a Ode fosse o tema de Pompa e Circunstância nº 1.

Com a morte da esposa, e o fim da sangrenta I Guerra Mundial, Elgar entrou em um período de depressão. Ainda conseguiu forças para escrever o Concerto para Cello e Orquestra, obra que revela muita tristeza e desapontamento em relação aos destinos da humanidade. De seus quatro movimentos, o Adagio é considerado a jóia da coroa deste concerto. O longo lamento do cello nos transmite a comoção em que vivia o compositor.

Depois da guerra, Ralph Vaughan Williams assumiu a liderança da cena musical britânica enquanto Elgar se retirava da mesma. Sua música, em especial o Concerto para Cello foi redescoberta na segunda metade do século XX, graças aos esforços do maestro Sir John Barbirolli e da cellista Jacqueline du Pré.

 

Clique aqui para assistir Pompa e Circunstância

 

torelly@polors.com.br

Compartilhe:Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInTweet about this on TwitterEmail this to someone