São Borja inaugura usina que utiliza casca de arroz como combustível

Compartilhe:Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInTweet about this on TwitterEmail this to someone

A Agência de Desenvolvimento de São Borja (ADSB) celebra nesta sexta, dia 25, a inauguração da  Usina Termoelétrica de São Borja, a base de casca de arroz, a maior unidade geradora do país com este combustível.   O empreendimento é uma das maiores obras dos últimos anos na fronteira-oeste do Rio Grande do Sul, um investimento de 65 milhões de reais, com capital alemão, tendo a frente um dos maiores fundos privados da Alemanha, MPC Münchmeyer Petersen Capital GmbH & Co, da cidade de Hamburgo.

 É o primeiro investimento deste grupo em energia renovável através da casca de arroz na América do Sul. A Unidade Termoelétrica irá gerar 12,3 MW de potência, equivalente a um abastecimento de uma cidade de 80.000 habitantes. Serão necessárias 96.000 toneladas/ano de casca de arroz para a UTE operar com sua capacidade plena.

O município de São Borja é um grande pólo de beneficiamento de arroz no RS. Beneficia atualmente 10 milhões de sacos de arroz (50 kg)/ano, tendo um enorme passivo ambiental com a casca de arroz. A termoelétrica irá contribuir para um destino ambientalmente correto a este resíduo,  agregando valor com este subproduto através da geração de energia.  As cinzas geradas com a queima da casca (20%), terá como destino indústrias de cimento, de fertilizantes e de borracha.

 A Agência de Desenvolvimento de São Borja trabalha com este projeto desde o ano de 2000, na busca de alternativas ao arroz. Ao viabilizar esta unidade geradora, a agência foi em busca de novas unidades produtoras no estado do Rio Grande do Sul com os mesmos investidores. E assim, surgem projetos equivalentes nas cidades de Itaqui, com obras previstas para iniciar em julho do corrente ano (UTE Itaqui Geradora de Energia Elétrica S.A.), e Pelotas, com previsão de início de construção em janeiro/2013 (UTE Pelotas Geradora de Energia Elétrica S.A.).                      

 Para José Francisco Rangel, presidente da ADSB,  estes empreendimentos são de grande relevância para o setor arrozeiro e para o meio ambiente do Rio Grande do Sul.

Compartilhe:Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInTweet about this on TwitterEmail this to someone