Der Ring des Nibelungen, a história de um épico. (I)

Compartilhe:Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInTweet about this on TwitterEmail this to someone

 

O amadurecimento de Richard Wagner como celebridade musical, veio a ocorrer na segunda metade de sua vida. Quando jovem, o compositor escreveu duas óperas de méritos duvidosos, como As Fadas e a Proibição de Amar. Wagner também criou obras que vieram a confirma-lo como compositor de bom nível, como Rienzi – o último dos Tribunos, O Holandês Voador, Tannhäuser e Lohengrin.

Entretanto, a partir de 1849 ele iria dar início ao estabelecimento de seu poderio artístico e a reinar de uma maneira sem precedentes na história da música. Muito contribuiu para a criação do ciclo do Anel do Nibelungo, o período em que Wagner iniciou seu autoexílio na Suíça. Durante três anos não escreveu uma única nota musical, mas em contrapartida produziu três ensaios de suma importância, revelando seus pensamentos sobre arte em geral e ópera em específico. Em 1849 ele lançou Arte e Revolução. Nesta obra ele afirma sua crença de que a sociedade está culturalmente aprisionada e isto a impede de compartilhar a possibilidade de usufruir uma experiência comunal através do renascimento do espírito do drama grego. No mesmo ano ele publicou A obra de arte do futuro na qual ele discute a evolução das artes após a decadência da Grécia antiga.

No terceiro de seus tratados, Ópera e Drama, Wagner analisa detalhadamente os conceitos de arte, principalmente na forma da ópera. Ela é o tema central deste volumoso ensaio, com mais de 300 páginas, publicado em 1851. Apesar de ser escrito numa linguagem e estilo que testam a perseverança do leitor em avançar na obra -como na maioria das obras em prosa de Wagner- este volume contém uma elaborada discussão sobre os conceitos ligados à ópera e a tradição operística daqueles tempos, concentrada na Itália e na França.

Baseado em suas teorias, Wagner passou a criar os seus dramas musicais. O ciclo Der Ring des Nibelungen (O Anel do Nibelungo) é considerado o maior marco divisório da história artística e cultural no mundo da música. Esta obra é a joia mais brilhante da coroa que representa as óperas mais inovativas e mais controversas deste compositor.

O ciclo do Anel foi composto para ser apresentado em quatro noites, e sua estréia ocorreu nos dias 12, 13,14 e 15 de agosto de 1876, em Bayreuth, na Baviera, num teatro desenhado pelo compositor e construído especialmente para essa produção.

As estatísticas do Anel servem como uma exemplar introdução à magnitude desta obra musical. Der Ring consiste em mais de 800 páginas de diálogos e instruções para a posta em cena. São 3.750 páginas de música a ser interpretada por uma orquestra com mais de 120 instrumentos e 36 cantores. Estes dados nos levam a uma obra dramática musical com duração de quinze horas. Entre os personagens deste extenso drama encontramos gigantes, anões, um panteão de deuses, semideuses e mortais, cada grupo vivendo em seu mítico mundo. No Anel também figura uma serpente gigantesca, um dragão, um pássaro que fala e cavalos alados. A ação inclui uma descida da superfície da terra até suas entranhas, assim como um arco-íris encantado que serve de ponte para que os deuses possam subir até seu palácio que está nos céus.

Programado por Wagner para ser apresentado em quatro noites consecutivas, nos dias de hoje existem intervalos de 48 horas entre cada ópera, para poupar os cantores que são submetidos a uma grande demanda física e vocal. O Anel é a mais longa peça escrita para o palco com um tema contínuo, jamais criado por outro autor. Ruggiero Leoncavallo fracassou ao tentar seguir os passos de Wagner e lançar uma trilogia chamada Crepusculum. A primeira parte, I Medici, chegou a ser encenada, mas as vaias fizeram com que o autor desistisse de trabalhar na sequência, que seria formada por Savanarola e Cesare Borgia.

Assim como o Anel é longo, longo foi o tempo gasto por Wagner, desde a concepção da obra até o dia em que escreveu as notas finais para concluir sua tetralogia. Os primeiros rascunhos começaram em 1849 e apenas 27 anos após a obra foi estreada. O compositor passou cinco anos estudando os mitos, lendas e histórias da Alemanha e dos países nórdicos. Seis anos antes de pensar no Der Ring como um projeto definitivo, Wagner decidira preparar uma obra baseada em Siegfried, legendário herói germânico. O dramático argumento do Der Ring des Nibelungen revela a fusão que Wagner fez de dois temas não relacionados que envolvem a sociedade, a cultura e a história literária do povo alemão. De um lado, temos um enredo envolvendo os velhos deuses do mundo teutônico, cujas ações irão criar um dilema moral que resultará em sua queda e na destruição de seu mundo pelo fogo e pela água.

O segundo tema nos remete às aventuras do herói Siegfried, conhecido como Nibelungo na lenda germânica, mas convertido por Wagner num membro da família dos Wälsungs.

Em sua forma final o Der Ring é uma alegoria. O poema relata as ações que levaram à destruição dos velhos deuses, a ruina do mundo corrupto que eles haviam criado e o renascimento do universo, novamente purificado pelas ações de Siegfried.

Para este drama onde participam mortais e uma variedade de seres divinos e sobrenaturais, Wagner criou uma música irresistível, quase que uma sinfonia que serve não só como veículo para facilitar a expressão dramática, mas de preferência uma música que é a expressão do drama em si mesmo. Em resumo, a nova música de Wagner possuía o formidável poder de estimular profundas emoções e a propriedade de penetrar no núcleo da alma humana. Esta fusão da música com o drama resultou na obra de arte total, tema tão explorado por Wagner, em seus ensaios.

No próximo artigo: os títulos originais das obras da tetralogia, os principais personagens, as fontes utilizadas para o texto do Der Ring, os anos de composição e discografia recomendada.

Clique aqui e assista o final de A Valquíria, encenada no Festival de Bayreuth, no ano do centenário da estréia do Der Ring des Nibelungen. Nesta cena, Wotan invoca Loge, deus do fogo, e pede a ele que crie uma muralha de chamas ao redor da rocha onde dorme a Valquíria Brünnhilde.

 

 

torelly@polors.com.br

 

Compartilhe:Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInTweet about this on TwitterEmail this to someone