Cervejeiro punk é contra a pielsen genérica

Compartilhe:Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInTweet about this on TwitterEmail this to someone

Tudo porque a cerveja deles é punk. Enquanto os pubs britânicos estão em decadência, a rede BrewDog cresce com clamor popular. A maior cervejaria artesanal independente da Escócia lançou o primeiro bar com bandeira própria em 2010, na cidade de Aberdeen. Hoje, são cinco entre Escócia e Inglaterra, com a meta de chegar a dez até o fim de 2012. Amanhã, um dos fundadores da empresa, o jovem James Watt, chega ao Brasil para fechar o acordo que vai viabilizar o primeiro bar do grupo fora do Reino Unido, em São Paulo.

A BrewDog foi oficialmente lançada em 2007. Watt e seu sócio, Martin Dickie, tinham então 24 anos e pegaram um empréstimo de 30 mil libras para começar. A dupla provou que a tecnologia não é o único caminho para a moçada ganhar dinheiro com irreverência: fecharam 2011 com um faturamento de 7 milhões de libras e um crescimento em vendas de 250% nos últimos dois anos. Seus produtos figuram em supermercados como o Tesco e até nas cartas dos melhores restaurantes do mundo como o Noma, em Copenhagen, e o DOM, em São Paulo. A empresa, como afirma o jovem escocês, foi criada tendo “o mesmo desprezo pelo mercado de massa de cerveja que os punks originais tinham pela cultura pop”.

As campanhas de marketing que a dupla faz na rede social é agressiva. “É a revolução da cerveja artesanal”, evangeliza Watt. Ele e Dickie jogam boliche para quebrar garrafas de Budweiser ou se vestem de Darth Vader para espatifar com o sabre de luz as long necks Stella Artois. “Queremos mudar a cultura monótona de beber cerveja. Por isso, fazemos bebidas inovadoras, progressistas e cheias de sabor”, diz Watt. O mestre cervejeiro da Brew Dog, Stewart Bowman, garante que usa 25 vezes mais lúpulo em suas criações que as “genéricas” do mercado. “We bloody love hops!” (amamos lúpulo mesmo!), alardeia.

A personalidade de cada cerveja da marca é expressa em rótulos provocativos como “Sink the Bismarck!”, a mais alcóolica do mundo, ou “Trashy Blonde”. As mais ” populares” da BrewDog são a “Punk IPA” e a “Hardcore”. Claro que com o uso de mais e melhores ingredientes a bebida artesanal custa mais. Os fundadores dizem que se pessoas pagam mais por uma taça de um bom chardonnay, por que não fazer o mesmo com uma elaborada cerveja artesanal? “Beba menos, mas beba melhor”, pregam Watt e Dickie. No Brasil, para se ter uma ideia, uma long neck da marca custa em torno de R$ 15.

O discurso antipilsen tem dado resultado. Em junho do ano passado, eles colocaram à venda uma cota de ações, não listada em bolsa, para ser vendida on-line. O processo, todo auditado, ganhou destaque nas principais publicações de economia britânicas, incluindo o “Financial Times”, e foi batizado de “Equity for Punks”. Até janeiro deste ano, o esquema atraiu seis mil acionistas e captou 2,2 milhões de libras. A oferta inicial era de quatro ações por 95 libras e o maior investidor comprou 25 mil libras. Tudo isso para ajudar a BrewDog a construir uma fábrica ecológica em Aberdeen que vai quintuplicar sua capacidade para 500 mil hectolitros e ainda permitir a abertura de novos bares.

A contrapartida para os acionistas vai de descontos eternos no bares até acesso privilegiado a edições especiais das cervejas. Eles também podem dar pitacos via internet nas decisões da empresa. ” Todo nosso esforço é para estar cada vez mais perto de quem consome nossas cervejas.”, diz Watt. O blog oficial da BrewDog é atualizado constantemente com vídeos debochados apresentados por Watt e Dickie que chegam a 300 mil acessos por mês.

A cervejaria exporta hoje 55% de sua produção para 27 países, mas com a ampliação da fábrica esse percentual vai crescer. O Brasil está em sétimo lugar no ranking dos principais compradores. “Mas está expandindo”, destaca Watt. A dificuldade está justamente no gargalo de produção da empresa. “Só não trazemos mais de um contêiner por mês porque eles não tem como atender. Tem vários países esperando na lista para começar a vender BrewDog”, conta Gilberto Tarantino, representante exclusivo da marca no Brasil.

Foi esse desempenho e a percepção do desenvolvimento do consumo local de cerveja artesanal que fez com que Watt convidasse Tarantino para ser sócio no primeiro bar BrewDog brasileiro. No Reino Unido, a empresa é dona de todas as unidades. Só que enquanto um bar lá custa em torno de 100 mil libras, aqui o investimento deve ser de R$ 1 milhão. Como “não entende nada da área”, Tarantino topou a parada, mas vai incluir na sociedade um grupo especializado em gestão de bares.

A reunião, da qual Watt vai participar, será na segunda-feira. ” Tive de encontrar um grupo que não tivesse contrato de exclusividade com nenhuma das cervejarias tradicionais”, explica Tarantino. O lema do bar BrewDog é “No Tennents (marca tradicional), no Carling (outro rótulo de massa), no Smirnoff, no televisions.” Tudo para não parecer um pub. Outras marcas convidadas de cervejas artesanais podem ser vendidas, assim como vinhos ou destilados que não pertençam ao “mainstream”.

James Watt vai chegar amanhã ao Rio. E, logo de cara, pega um churrasco com brejas. Vai estar com um grupo carioca de cervejeiros artesanais. O moço punk não vai sofrer com o provável sambinha que vai rolar? “Qualquer música combina com nossas cervejas. Bossa Nova e ‘Punk IPA’ pode ser incrível”, sugere. Tá bom. Mas o que ele anda ouvindo de verdade? “Quando estamos ‘cervejando’ todo o prédio vibra com música. Dá última vez que estávamos misturando uns ingredientes rolava ‘Pantera’, ‘Black Label Society’ e ‘Down & Deftones'”. Então, se cuida Zeca Pagodinho!

Por Angela Klinke para o Valor Econômico.

Compartilhe:Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInTweet about this on TwitterEmail this to someone